New Order

Blog de mpsmelo :Housemaster (DJ´s Underground), New Order

HOUSEMASTER DE VOLTA DEPOIS DE FERIADO E TUDO MAIS QUE SÓ TEM NO BRASIL,.,HEHEHE,, GENTE HOJE É DIA DE FLASH BACK ENTÃO ESTAMOS AQUI TRAZENDO UM ARTIGO SOBRE O NEW ORDER QUE FEZ E FAZ MUITA GENTE MEXER O ESKELETO EM QUALQUER PARTY QUE SEJA ROLADO TANTO DE FLASH COMO EM PARTY ATUAIS,, PODEM FICAR SEGUROS DISSO,,,,ABAIXO SEGUE A MATÉRIA BEM LEGAL QUE CONTA COM DETALHES A TRAJETÓRIA DESSA BANDA QUE PARTICULARMENTE AGRADA AOS OUVIDOS DE TODOS,,, NO FIM DO ARTIGO TEM O LINK PARA O DOWNLOAD DE UM SET COM 30MIN QUE RODOU NO PROGRAMA ULTRAPASSADO DA RADIO ACRITICA (DE 20 AS 22 H AOS SÁBADOS COM O DJ MARCOS BATMAN)….BOM PROVEITO GENTE .E MAIS UMA VEZ OBRIGADO AOS QUE SE FIZERAM PRESENTES NA PRIMEIRA VIDEO DISCO CLUB…JÁ ESTAMOS TRAMANDO A SEGUNDA AGUARDEM AS NOVIDADES,,,,

NEW ORDER (A SAGA)

Agora é com o New Order que pra mim tem 3 arrasadoras..True Faith, Subculture e Round & Round…Ai vc me pergunta o que que aconteceu com o Bizarre Love Triangle e o Blue Monday sua mala sem alça..
Então são ótimas mais pra mim o que vale mesmo sao as 3 que citei,,,tem mais história pra mim..ok..

Após a morte de Ian Curtis, chega ao fim uma das principais bandas pós-punk, o Joy Division, uma das primeiras a introduzir o romantismo às suas letras.
Os remanescentes se auto impõe uma nova ordem, o New Order, tentativa de mudança frustrada no início, quando em julho de 80, meses após a morte de Ian, ainda estavam sob o fantasma do antigo vocalista, não conseguindo adquirir uma identidade própria, mantendo-se muito próximos do estilo do Joy. “Precisávamos gravar alguma coisa, estávamos muito abalados e precisávamos preencher nosso espaço de desespero”, disse Hook, na época do lançamento do single Ceremony de 1981, com letra ainda de Ian Curtis. Nessa nova fase Morris, responsável pela bateria e pela percussão eletrônica, chama para a banda sua namorada, a tecladista Gilian Gilbert.
O fantasma de Ian ainda assustava a Nova Ordem quando resolvem gravar o álbum Movement, único ainda indisponível em CD no Brasil. São destaques desse trabalho, ainda com os dois pés no pós-punk, as músicas The Him, Dreams Never End e ICB, que segundo diz a lenda significa Ian Curtis is Buried. Mesmo sendo impossível, é como se o Ian tivesse chegado atrasado no estúdio para a gravação e como a banda, independente e sem dinheiro para pagar a próxima hora, mesmo sem ele gravasse o álbum.
O single Everything is Gone Green, com composições próprias, já tem um ritmo mais novo, embora o clima seja muito parecido. Em maio de 1982 lançam Temptation, com uma sonoridade kraftwerkiana, com letra bem new romantic, a lá Bryan Ferry. Em 1983 descobrem a seqüência de bateria que os tornaria a banda independente mais famosa do mundo e levaria a Factory e Manchester ao conhecimento de cada canto da Terra: Blue Monday, o single de 12″ mais vendido da história. A cult band, completamente independente, chega ao mainstream. Como diz o próprio Hook, “sem perder a independência e o fim alternativo. Hoje somos a banda mais respeitada do mundo, somos os únicos que fazemos o que queremos fazer”. Com Blue Monday e o álbum subseqüente, Power, Corruption and Lies, o New Order consegue combinar sua independência e sua veia alternativa com o reconhecimento como uma das melhores bandas dos 80 e como a melhor banda de technopop da história, sendo este um fato único na história da música.
Nesta fase os vocais já assumem personalidade própria e o New Order mostra suas influências que vão de David Bowie e Iggy Pop até Kraftwerk, influenciando os Smiths, Pet Shop Boys, Chemical Brothers, 808 State, Moby, Wolfsheim, De/Vision, Celebrate the Nun, entre outras dezenas de bandas. Ainda é responsável pelo lançamento de Section 25, uma das melhores bandas technopop dos 80, trazendo a banda para a Factory e colocando-a para abrir os seus shows.
Manchester começa a ser freqüentada por jornalistas do mundo inteiro, mas o New Order continua o mesmo da época do Joy. Embora suas músicas alternativas tenham se tornado grandes sucessos, continuam rejeitando o estrelato, não gostam da mídia, nem de entrevistas, e nunca aceitaram as paparicações das grandes gravadoras e revistas especializadas em Pop Music.
Em meados de 1983, lançam Confusion, mais um racha-assoalho, desta vez com produção de Arthur Baker. Afastados dos palcos e com uma pausa nos LPs, lançam Thieves Like Us, single de 1984. Prensam finalmente o Low Life, melhor álbum do New Order, único em que aparecem as fotos dos integrantes da banda, cujas capas em geral dispensam todo apelo comercial graças à independência da banda.
Vale a pena comentar que algumas das melhores capas dos 80 com certeza foram as maravilhosas criações de Peter Saville para o New Order. Responsável pela arte das capas da Factory, Peter Saville, que tem até uma trilha sonora só para ele feita pela banda, foi o artista que em 1983 idealizou a capa de Power Corruption and Lies, a mais bela da história da música, um quadro de um artista francês entitulado Roses, influenciando mais uma vez o Trisomie que dois anos mais tarde lançaria um álbum com um trabalho do Goya. Saville foi também responsável pela genial capa de Blue Monday, a mais revolucionária da história: um disquete simplesmente, sem foto da banda ou nome do artista. A Nova Ordem trazia o futuro para a música, um CD saindo de um disquete, prevendo a invasão da música digital.
Em 1986 lançam Brotherhood e mais um hit histórico: Bizarre Love Triangle. Em 1987 mais uma pausa nos trabalhos de estúdio, com o lançamento de uma coletânea de seus 12″ até então, Substance, o trabalho mais adorado pela maioria dos fãs, que foi mais um estouro de vendas, com apenas uma música inédita, a maravilhosa True Faith. Iniciam nesse período uma longa turnê que chega até o Brasil em 1988, dia 25/11 no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Olympia, no dia em 30/11 e no Ibirapuera dias 1, 2 e 3/12/1988. No último show brindaram os presentes com o cover de Love Will Tear Us Apart no bis. Já em 1989 lançam Technique, com mais um super hit, Round and Round, finalizando três anos de espera por um novo álbum.
Em 1990, enquanto o Brasil cria um samba como tema da seleção na Copa, na Irlanda o U2 grava rock e na terra da rainha e dos sintetizadores, como não poderia deixar de ser, o technopop é a trilha sonora até mesmo dos estádios de futebol: World in Motion é o tema da seleção inglesa, gravado pelo New Order, a pedido da rainha, junto com os jogadores, cujas vozes aparecem na versão 12″.
Depois disso o New Order entra em estado latente. Bernard Sumner (vocais) convida Neil Tenant e Chris Lowe do Pet Shop Boys e Johnny Marr, que dispensa apresentações, para formar o super grupo da última década do milênio: o Electronic. Lançam em 90 o single de Getting Away with it, que estoura nas pistas de todo mundo, seguido do álbum Electronic.
Presentearam com uma noite histórica os felizardos que estavam no Dodgers em Los Angeles para assistir ao show do Depeche Mode. Quem abriu a noite? Electronic! Todos os 60 mil ingressos foram vendidos em menos de uma hora, um recorde mais do que esperado para essa reunião ultra solene do Depeche Mode, com integrantes do New Order, Pet Shop Boys e Smiths, em um mesmo local, para um mesmo show, em uma noite completamente inacreditável.
Peter Hook se vinga e forma com Dave Hicks e Chris Jones o Revenge, cuja sonoridade e até mesmo os vocais tentam imitar o New Order. Seu outro projeto, anos mais tarde, o Monaco, teve mais cara própria e musicalidade marcante, obtendo inclusive um razoável sucesso com What Do You Want from Me?
Os outros dois, Morris e Gilbert, formam o The Other Two. Nenhum outro nome caberia melhor. Estes, por sua vez, estavam mais preocupados com o techno e às modas da época, o que na volta ao estúdio do New Order foi marcante para o um estilo mais comercial que infelizmente a banda acabou fazendo em Republic (álbum de 1993). Os sintetizadores cederam lugar para a guitarra (que estava na moda e dando dinheiro, uma mudança infeliz para uma banda que era a melhor na independência, virar perseguidora de sucessos para gravadora, mas a falência da Factory, os levou a ficar mais comerciais) e o que não é puro rock, aliás, os maiores sucessos da época são dessa linha, parte para o techno e rap, o que não combina com a maravilha eletrônica que sempre foi essa sensacional banda de Manchester. Dos últimos trabalhos destacam-se somente Regret, World e Crystal do álbum Get Ready de 2001. Em 2004 lançam o álbum Waiting for the Sirens to Call.

Agradecemos a sua participação.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Dj Culture. Eletronic Music. Art of Mixing. Video Mix

%d blogueiros gostam disto: